sábado, 20 de setembro de 2014

Pés de Tomates, Temperinhos e Chás - Plantas do meu Quintal

 







 SALSA
 

 SALSÃO OU AIPO

 Comprei Alho Poró - usei as folhas e o caule 
branco e sobrou o bulbo com as raízes 
dai coloquei na água e ele brotou novamente, 
já cresceu muito e já usei e fiz mudas 
mais algumas vezes com o mesmo bulbo
 
Temperos em casa: 

luxo para todos



Por Lucia Freitas

A regra é clara: menos sal, Brasil. 


E a grande solução para fazer isso são os temperos. 
Do alecrim ao tomilho, do manjericão à ciboulette, 
que oferece finalização chiquérrima, eles estão aí 
para ajudar – e melhorar a saúde também, porque não?

Mas fazer uma horta em casa passa por alguns detalhes. 
Quem dá a dica é a blogueira e jornalista Carol Costa, 
que só fala de jardinagem e plantas.
 “Primeiro, é preciso conhecer as plantas. 
Depois, é preciso garantir no mínimo 4 horas de sol 
para as folhas todos os dias”, diz a especialista. 
Segundo ela, “plantas não negociam”, é preciso atender 
bem às necessidades delas para que a sua plantação dê certo.

Carol explica que muita gente acha que não tem jeito 
para manter a horta porque a maioria dos temperos 
são plantas anuais. “Há dois tipos, as anuais e as perenes. 
Anuais duram, em média, seis meses”, explica. 
E você achando que não tinha jeito com as plantas, não é? 
Plantas como cebolinha, salsinha, tomate e manjericão
 (anuais) duram cerca de duas estações (seis meses), 
Segundo Carol.

Uma dica bacana: conhecer a planta. 
“Tomilho, lavanda e orégano são originários do Mediterrâneo. 
São espécies que precisam de solo pobre, pouca água, muito sol”,
 conta. E se você olhar com atenção, vai entender as plantinhas. 
Há aquelas, como a alface, de folhas suculentas, que pedem 
mais água. E as de folhas pequeninas ou espetadas, como o 
alecrim, que não gostam tanto de água.

A plantação explicada


Isso explicado, se sua casa ou apartamento tem condições 
favoráveis para a horta, mãos à obra. 
Você pode comprar mudinhas ou sementes, como quiser. 
Lembre que as mudas, principalmente das ervas anuais, 
vão durar menos que a semente.

Escolha um vaso de 30 cm de profundidade com furos de 
drenagem no fundo e monte assim: metade com material de 
drenagem, cubra esse material com a manta apropriada e 
coloque a terra já preparada. Preparar a terra? 
Sim, é preciso misturar uma porção de terra com 2 de 
composto orgânico (apenas um tipo) na quantidade 
certa para encher o vaso.

Aí vem a parte difícil, segundo a Carol: 
a profundidade para colocar as sementes. 
A medida é a altura da semente do jeito que cairia no chão… 

Para fazer uma horta, em geral basta polvilhar terra por cima, 

pouquinho mesmo, para o broto ter força suficiente de nascer.

A dica de ouro? 
Cubra com plástico filme furado e espere germinar. 
Quando o brotinho verde aparecer, o seu berçário 
estará encaminhado.

Num vaso de 30 cm, como indicamos, dá para plantar 
quase tudo. 
Só não vale se aventurar com tomate em apartamentos 
– é uma trepadeira e exige mais sol. 
Mas até morango funciona (e eles são lindos!). 
Outra planta para isolar: hortelã. 
A culpa é das raízes, que sufocam tudo o que estiver por perto. 
E organizar o vaso de acordo com o gosto por água 
da planta, assim facilita o trabalho da rega.

Horta é feita para comer


Segundo Carol Costa, outro grande erro de quem tem hortaliças 
em casa é ter “dó de comer, porque está bonito”. 
“Oras, é feito para comer, então aproveite: 
quando está bonito é hora de colher”, diz. 
As sugestões?

Alecrim: 
é conhecido por fazer bem ao sistema circulatório e cardíaco. 
Na fitoterapia é usado para combater males dos rins, 
fígado e intestinos (inclusive gases). 
Tempero para carnes, risoto (substitui o sal), saladas, molhos…

Arruda: 
a plantinha é muito útil para afastar o gato 
do vizinho de seus canteiros.

Broto de alfafa: 
rica em vitaminas e sais minerais, a alfafa 
é revigorante. 
Cai bem em saladas ou como acompanhamento.

Cebolinha: 
da mesma família do alho e da cebola, tem propriedades 
bactericidas, além de ser rica em vitaminas C e A. 
Seu odor libera sucos digestivos (o que facilita a digestão). 
Use no fim dos preparos, como tempero.

Coentro: 
seus flavonoides são antioxidantes, além de também 
ser bactericida e fungicida.

Hortelã: 
ou menta tem duas variedades: hortelã pimenta e japonesa. 
Ambas são ricas em magnésio, cobre e vitamina C. 
Para quem não sabe, é um ótimo calmante natural, 
tempero refrescante e também ajuda a aliviar 
problemas respiratórios.

Manjericão: 
além do perfume, ele empresta à comida suas propriedades 
antioxidantes. 
Além de melhorar a digestão, diminui a formação 
de gases e alivia cólicas.

Orégano: 
Antioxidantes, cálcio e propriedades fungicidas fazem 
parte dos seus benefícios. 
Estimula o sistema imunológico e ajuda a digestão.

Tomilho: 
essa erva mediterrânea, além de digestiva, aromatiza 
c
arnes, molhos e saladas e ainda ajuda a fortalecer 

o sistema imune.



Fonte deste texto:

sexta-feira, 19 de setembro de 2014

SAL DE ERVAS

Sal de ervas pode ser consumido até por hipertensos

A baixa concentração de sódio e o uso de ervas 
aromáticas e medicinais tornam o sal de ervas 
muito saudável, podendo ser usado por todos, 
inclusive por quem sofre de pressão alta.

Claro, que não pode haver exageros, 
pois todo excesso é nocivo.

Mas pode ter certeza: o sal de ervas é mais 
saboroso e muito melhor para a saúde 
que o sal comum.

As ervas que compõem este sal são muito 
benéficas à saúde.

O alecrim é estimulante, favorece a atividade 
mental (memória), o coração, os nervos, 
combate o estresse e a ansiedade.

O manjericão é rico em magnésio, ferro, 
cálcio, potássio e vitamina C.

Devido à presença do magnésio, ele melhora 
a saúde do sistema cardiovascular, pois 
estimula os músculos e vasos sanguíneos a 
relaxar, melhorando o fluxo sanguíneo e 
reduzindo o risco de arritmias cardíacas. 

O manjericão possui flavonoides que protegem 
as estruturas celulares, os cromossomos 
contra a radiação e contra os efeitos 
dos radicais livres.

Ele também é anti-inflamatório, estimulante 
digestivo, calmante, previne problemas 
digestivos e infecções no intestino.

O orégano tem alta atividade antioxidante 
porque contém ácido fenólico e flavonoides, 
além de propriedades antimicrobianas, o 
que faz com que seja bom para ajudar a 
preservar alimentos. 

Ele, entre outras coisas, é estimulante das 
funções gástricas e biliares, sedativo, 
parasiticida, expectorante, diurético, 
carminativo, emenagogo, diaforético; alivia 
dores reumáticas; estimula o sistema 
nervoso e o apetite.

Fonte do texto e da receita;
Aumentei em 5 vezes a receita
e coloquei mais temperos junto:

INGREDIENTES:
100 gramas de alecrim desidratado 
100 gramas de manjericão desidratado 
100 gramas de orégano 
100 g de alho moído e desidratado
100 g de cebola moída e desidratada
100 g de salsinha desidratada
100 g de curry
100 gramas de sal marinho 

 MODO DE PREPARO:
Liquidifique bem todos os ingredientes. 
Armazene o sal de ervas num vidro. 
Utilize-o como substituto do sal comum em todas 
as receitas. 
A quantidade é a mesma que você utilizaria de 
sal comum. 
A vantagem é que ele tempera e dá sabor 
com uma quantidade reduzida de sódio.



SAL DE ERVAS: BOA OPÇÃO PARA 
REDUZIR SÓDIO NA ALIMENTAÇÃO

Todos sabem que os excessos de sal causam graves 
problemas de saúde, que vão da hipertensão arterial 
ao AVC e outras doenças cardiovasculares.

Para resolver o impasse e reduzir o consumo 
desse condimento em até um terço sem deixar 
a comida insossa, uma boa opção é utilizar 
uma receita prática e bem mais saudável: o sal de ervas.

Confira duas receitas de sal e uma de tempero caseiro:

Receita 1:
1/2 xícara de chá de sal marinho

1 xícara de chá de orégano
1 xícara de chá de alecrim
1 xícara de chá de estragão

Preparo:
Lavar bem as ervas e secá-las. Depois, colocá-las 
junto com o sal no liquidificador ou no processador 
de alimentos e triturar tudo. 
Guardar a mistura em um recipiente de vidro 
bem fechado, no refrigerador.

Receita 2:

10g de alecrim seco
25g de manjericão seco
15g de orégano seco
10g de salsinha seca
100g de sal marinho

Preparo:
Bater os ingredientes no liquidificador. 
Guardar em pote de vidro bem fechado no refrigerador. 
Usar no lugar do sal comum.

Receita de Tempero Caseiro:

1 maço de sálvia
1 alho poró
aipo
5 cabeças de alho
2 cebolas
1 pimentões vermelho
Manjericão ou Alfavaca
Hortelã
Pimenta
Alecrim
Manjerona

Azeite de oliva extra virgem para misturar
1/2 xícara de chá de sal marinho

Preparo:
Bater o alho com um pouco de óleo, azeite 
ou água no liquidificador. 
Em seguida, acrescente os demais ingredientes, 
um a um até que a mistura fique homogênea. 
Feito isso, acrescente uma ½ xícara de chá de 
sal para que o tempero seja melhor conservado. 
Guarde em um recipiente de vidro bem tampado. 
Utilize em pequena quantidade para realizar 
em suas preparações.

Curiosidade: 
A recomendação diária de iodo é de 150 microgramas 
para indivíduos com mais de 14 anos, 
220 microgramas para as gestantes e 290 
para lactantes. É encontrado em quantidades 
variadas nos alimentos, na água para consumo, 
sendo suas principais fontes o sal marinho, 
peixes de água salgada e frutos do mar. 
O leite e seus derivados também possuem 
quantidades consideráveis de iodo e o mesmo
 pode ser encontrado em legumes como a 
vagem, agrião, cebola, alho poró, rabanete, 
nabo e em algumas frutas como abacaxi, 
groselhas e ameixas. 
O Sal Marinho Natural contém cerca de 84 
elementos, dentre eles: iodo, enxofre, bromo,
 magnésio, cálcio, etc. os quais são perdidos 
durante o processo de refinamento.

Com relação ao iodo, como nossa alimentação 
é pobre nesse mineral, ele deve ser acrescido 
na industrialização do sal refinado, no sal marinho 
e mineral, ele está presente naturalmente. 
O sal mineral apenas difere do marinho, 
quanto à sua fonte, pois enquanto o primeiro 
é obtido a partir da evaporação da água do mar, 
o sal mineral é extraído de minas subterrâneas.

Fontes:

Adaptado de:
Marta Rossini & Cláudia Baldo 
– Relógio do corpo humano.
Portal gourmet;
Saúde com ciência.

segunda-feira, 15 de setembro de 2014

Pão de Limão, Erva Doce e Noz Moscada


Ingredientes:

Esponja 

30 g de fermento fresco 
1 xícara de chá de água morna 
1 1/2 xícara de chá de farinha de trigo 

Massa: 

1.200 g de farinha de trigo 
( um pouco mais para enfarinhar) 
150 g de manteiga 
1 xícara de chá de açúcar 
1 colher de sopa de sal 
3 ovos ligeiramente batidos 
1 colher de sopa rasa de erva doce 
1 colher de cafezinho de noz moscada em pó 
Suco de 1 limão pequeno 
água morna o quanto baste 
Gergelim e Aveia para cobrir 

Modo de Preparo da Esponja 

Numa tigela coloque o fermento e água 
morna, 
misturando bem 
acrescente a farinha 
e misture 
até formar uma pasta.
Abafe bem e deixe crescer, mais ou menos 
15 a 20 minutos. 
Numa bacia, coloque a farinha deixe uma 
xícara para o final, 
misture o açúcar e 
o sal na farinha, 
faça uma cova na farinha 
acrescente a 
erva doce, a noz moscada, 
a esponja já crescida,
a manteiga, os ovos batidos, 
o suco de limão 
misturado com um 
pouquinho 
de água, misture 
tudo e vá aos poucos 
colocando água 
morna até o ponto de sovar 
a massa que 
não grude nas mãos. 

Transfira a massa para uma bancada 
ou mesa e sove por uns 
10 minutos, 
coloque 
novamente na bacia, passe 
farinha por cima 
da massa, cubra bem 
e deixe crescer até 
dobrar de volume. 

Assim que estiver crescida, coloque a massa 
na mesa e apenas 
de uma baixada nela 
sem sovar. Corte em 4 pedaços e modele
do jeito que preferir. 
Pincele água nos pães ou café coado ou até
uma gema dissolvida em água e cubra os 
pães com gergelim e 
aveia. 
Deixe crescer novamente e leve ao forno 
na temperatura de
180 graus por uns 45 minutos.







 De um pedaço de massa,  fiz algumas 
rosquinhas para meus netos, Lara e Enzo

 Rosquinhas fritas passadas no açúcar com canela






 A massa ficou bem aerada e perfumada, 
super gostosa

domingo, 14 de setembro de 2014

Pudim de Pão


Ingredientes: 

3 pães de sal dormidos ou duros (pão Francês) 
(coloquei 4) 
1 cx de Leite Condensado 
2 ovos 
500 ml de leite 

Modo de Preparo: 

Coloque todos os ingredientes no liquidificador 
e bata bem.
até que a mistura esteja homogênea.
Enquanto o pudim liquido descansa no copo do 
liquidificador, faça a calda.
Caramelize com 1/2 xíc. de açúcar uma forma 
de pudim, 
derrame a mistura do liquidificador 
na forma e leve ao fogo 
em banho maria 
por aproximadamente 30 a 40 minutos ou 
até que o pudim esteja consistente 

OBS: 
caso deseje um pudim mais consistente e só 
acrescentar 
mais um pão de sal na mistura do liquidificador

Liquido do pudim na espera (descanso)
enquanto a calda é preparada








Panqueca Vegetariana

Recheio

1 xícara de chá de proteína de soja texturizada
hidratada com água fervente por 15 minutos
1 cenoura sem pele e ralada no ralo grosso
1 abobrinha pequena com casca, ralada também
no ralo grosso.
1 cebola picadinha
1/2 pimentão verde
2 tomates sem pele picadinhos
orégano a gosto
2 cubos de caldo de legumes
óleo para refogar

Preparo:

Coloque o óleo em uma frigideira grande e refogue
a proteína de soja já bem escorrida, mexa bem e
coloque os cubos de caldo de legumes, vá misturando
até se dissolver os cubos, coloque o orégano e
acrescente a cenoura e a abobrinha, misture e coloque
um pouquinho de água, tampe a frigideira e deixe 
cozinhar assim que estiver sem caldo , tire do 
fogo. Reserve

Massa de panqueca - fiz 1/2 receita

1 xícara de chá de leite
3/4 de xícara de chá de farinha de trigo
complete o restante da xícara com amido 
de milho.
1 pitada de sal
1 ovo
2 colheres de sopa de óleo

Coloque tudo no liquidificador e bata bem
Deixe a massa descansar uns 5 minutos
Numa frigideira própria unte com óleo e
vá fazendo as massas um a por uma,até
terminar. Recheie as massas e vá colocando
num refratário, coloque por cima um pouco
do recheio e queijo a gosto, leve ao forno
apenas para gratinar.
Proteína de soja refogada e temperada
Acrescentando a cebola, tomate e pimentão
Bem  misturadinho
Acrescentando a cenoura e a abobrinha

 Acrescentando a água e tampar para cozinhar
 Ficou assim, sequinha
 Massa de panqueca
 Já recheada
 Com um pouco do recheio por cima e queijo ralado em escamas
Foi ao forno só para derreter o queijo